TECNOLOGIA | Placa do Mercosul

Começou a valer em todo o Brasil Placa do Mercosul, preço e quando é preciso trocar: tire suas dúvidas
Novo modelo de placa está em vigor em todo o Brasil. Entenda para que serve o QR code e o que mudou no modelo desde o projeto original.




FOTO REPRODUÇÃO DA WEB

A placa do Mercosul começou a valer em todo o Brasil desde 31 de janeiro de 2020. O novo padrão substitui a antiga placa cinza, mas só precisa ser instalado em carros novos, no primeiro emplacamento, e em outras situações que exijam a troca.

Quem precisa trocar

Veículos novos:

Primeiro emplacamento.

Veículos em circulação:

Troca de município e/ou estado;
Se as placas forem furtadas;
Se as placas forem danificadas;
Se o veículo mudar de categoria.

Entenda caso a caso quando é preciso a nova placa

Carros novos, no primeiro emplacamento

Para os veículos novos que vão ter o primeiro emplacamento todos os Detrans (Departamentos Estaduais de Trânsito) devem emplacar com o novo padrão.

Placas danificadas

Se por algum motivo a placa do veículo se quebrar ou se deteriorar, a troca pelo novo padrão é necessária.

Placas furtadas

No caso de uma placa furtada, a troca também é obrigatória para a do padrão Mercosul.

Mudança de categoria

Quando o veículo precisar mudar de categoria, como virar carro de aluguel, oficial ou particular, a nova placa também é exigida.

Troca de município

A legislação atual prevê a troca pela placa do Mercosul quando o proprietário trocar de estado ou município.

Quem quiser, também pode trocar

Também está previsto na legislação a troca voluntária da placa por parte do proprietário do veículo. Nesse caso, haverá a substituição automática do segundo caractere numérico do modelo anterior por uma letra.

E se o lacre se romper?

Se o lacre da antiga placa cinza se romper, ela será considerada como "danificada", então será trocado pelas novas placas de rodagens, informou o Detran-SP.

 

Qual o preço da placa do Mercosul?

 

Não existe um preço padrão para as novas placas, cada estampador pode cobrar valores diferentes, cabendo ao consumidor pesquisar os melhores preços. O Detran pode, contudo, determinar um valor máximo a ser praticado pelas empresas.

Em São Paulo, por exemplo, o teto é de R$ 138,24, que é o mesmo valor da placa antiga. O governo federal disse que as novas placas devem ter custo semelhante ao das placas cinza, e que em alguns casos poderia ficar até mais barato.

No entanto, um levantamento feito pelo G1 nos estados e Distrito Federal, com base em informações dos Detrans, mostra que não há consenso sobre o barateamento dos valores em relação ao modelo antigo, dependendo do local.

Entre os estados que responderam ao questionamento, o Amapá informou o valor mais alto: R$ 500.

Para que serve o QR code?

O QR code é um código que pode ser lido pela câmera de smartphone. Ele serve para dar as informações adicionais sobre o veículo e, de acordo com o governo, pode rastreá-lo.

Com esse código, as autoridades de trânsito podem acessar instantaneamente dados do veículo e verificar se há alguma clonagem. O cidadão também pode fazer a leitura, mas é preciso cadastro no site do Departamento Nacional de Trânsito para ver as informações.

A placa ficou mais segura?

 

Com diversas mudanças desde o projeto inicial, anunciado há 9 anos, a nova placa recebeu críticas de fabricantes e Detrans. Tantas alterações teriam deixado o modelo empregado desconfigurado e menos seguro do que na composição original.

O governo nega que a placa do Mercosul tenha ficado menos segura e diz que algumas alterações foram feitas porque encareciam a placa.

Veja como era e como ficou a placa veicular padrão Mercosul no Brasil — Foto: Thiago Lavado e Aparecido Gonçalves/G1

















 






COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM






TECNOLOGIA  |  29/03/2020 - 14h