ENTRETENIMENTO | esforço

Intérprete de Libras ajuda mãe surda em parto com acessibilidade: vídeo
O hospital não tem intérprete de Libras e Valéria, que também é advogada, usou a Lei de Acessibilidade para entrar com a paciente na sala de cirurgia.




Najara, a filha, o pai e a intérprete Valéria - Fotos: arquivo pessoal

“No momento da aplicação da anestesia, fui explicando a posição que ela tinha que ficar, como fazer… traduzindo as orientações médicas”.

O choro da criança

“Quando a criança nasceu, que chorou, eu pude dizer pra ela, ‘tá chorando, eu ouvi o chorinho dela, acabou de nascer’. Eles perguntaram ‘como ela é? Perfeita? Tá tudo bem?’. Aí veio a pediatra fazer as medições e eu fui passando pra eles. Então, é um momento especial e tão importante”, lembrou Valéria.

“Na sala de recuperação ela se sentiu mal por conta da anestesia e eu falava pra ela que, o estava sentindo era dentro do esperado, por conta da medicação e que aquilo ia passar. Então, imagina se ela não tivesse esse apoio, como seria?”, questionou a intérprete de Libras.

O apoio de Valéria tranquilizou a mãe e também ajudou os profissionais de saúde.

“No quarto vem enfermeiro, nutricionista, pergunta se tem alergia, ou intolerância a alguma alimentação, para montar o cardápio… fala sobre os exames que a criança vai ter que fazer… então toda essa ponte de comunicação é importante. É um direito importante que precisa ser preservado”, alertou Valéria.

Tensão

Como toda mãe de primeira viagem, Najara ficou tensa na hora de amamentar a filha.

“No momento da primeira amamentação precisei interpretar o que as enfermeiras estavam explicando. Elas ensinam a mãe sobre como ter essa experiência de forma tranquila. Ela já estava no quarto e queria entender por que não tinha descido o leite, tava só no colostro. Fui explicar pra ela o que ela o colostro, pra ficar calma, que estava tudo bem”.

Outro momento importante da comunicação foi quando o bebê foi retirado do quarto e a mãe não entendia o que estava acontecendo.

Valéria já tinha ido pra casa dela, cuidar do filho que é autista. Foi preciso fazer uma chamada de vídeo para a interprete ajudar novamente a amiga.

“Tinham levado a bebê para fazer exames. Ela não sabia o motivo e ficou muito nervosa. Eu fui explicar que eles estavam desconfiando de icterícia… que ela ficasse calma. Ela estava nervosa porque ninguém conseguia se comunicar com ela”.

Por amizade e respeito

Valéria lembrou que fez tudo isso por amor à amiga.

“Aqui em Brasília a gente não ouviu falar em nenhum parto de surda que tivesse uma interprete participando. Eu não fui contratada pelo hospital. Ela é uma amiga minha e eu fui porque queria dar a ela e experiência que nós ouvintes temos de respeito, pra que ela se a sentisse acolhida, segura naquele momento importante”. concluiu Valéria Menezes.

Najara Cabral tem 33 anos e mora do Recanto das Emas, a 30 Km do Congresso Nacional, em Brasília. Ela ficou surda aos 4 anos por sequela da meningite e trabalha como digitalizadora.

O Pai, Joaquim Araújo, de 31 anos, é morador de Ceilândia e ficou surdo depois de uma queda aos 4 anos de idade. Ele também trabalha terceirizado como digitalizador.

A bebê

O parto da pequena Thalia Gabrielly foi um sucesso.

A menina fez os exames e é ouvinte!

Mãe e a filha já voltaram pra casa.

Assista ao vídeo editado pelo SóNotíciaBoa:

 

 






COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



ENTRETENIMENTO  |  07/10/2020 - 15h





ENTRETENIMENTO  |  02/10/2020 - 10h


ENTRETENIMENTO  |  29/09/2020 - 08h